Dragões leva o vice-campeonato do Carnaval 2019

Provando mais uma vez a sua força, a Dragões da Real confirmou sua  trajetória firme de escola de samba grande e outra vez beliscou o vice-campeonato do Carnaval Paulista. Com diferença de meros 0,1 para a escola  campeã, mais uma vez mostrou força e garra de sua comunidade apaixonada. Parabéns à comunidade pela força, garra e espírito de luta!

O desfile  da Dragões foi no dia 3 de março, no Sambódromo do Anhembi. A Dragões levou para a avenida um conjunto de alegorias bem acabadas e em perfeito equilíbrio com todos os setores correspondentes. Os carros interagiam com o público, se mostrando alegorias “vivas”. Desenvolvidas pelo carnavalesco Mauro Quintaes, as fantasias se mostraram criativas e ricas nos detalhes de acabamento.

Cantando durante todo o desfile, os componentes evoluíram de maneira positiva e realizaram diversas coreografias nos refrões principais do samba. Além disso, a expressão corporal se manteve nítida durante toda a apresentação da escola.

Destaque para o intérprete Rene Sobral, que em cima do carro de som animou as arquibancadas e mostrou irreverencia durante a interpretação do samba junto com a sua ala musical, acompanhada pela bateria Ritmo que Incendeia comandada por Mestre Tornado ― que durante a apresentação manteve o andamento e ousou em bossas bem executadas.

A escola abriu seu desfile fazendo referência ao Deus Cronos, figura conhecida na mitologia grega por controlar o Tempo. A comissão de frente fez um viagem no tempo, trazendo homens primitivos e o encontro irreverente com grandes personalidades, ganhando aplausos do público por onde passou. Em seguida veio o primeiro casal, Rubens Castro e Evelyn Silva, fantasiados de sol e lua, que se revezam no decorrer da história em um ciclo eterno.

O imponente abre-alas da escola intitulado de “O Templo de Cronos” foi inspirado em um sub-gênero da ficção científica, chamado steampunk, que ganhou as telas de cinema nos anos 1980.

O segundo setor retratou as diversas maneiras inventadas pelo homem para controlar a hora. Tivemos a ala da ampulheta, do relógio de pulso e do relógio de pêndulo, representado na fantasia da ala das baianas. Também foi lembrado povos antigos, como os incas e os astecas, conhecidos pelas previsões apocalípticas, retratados no segundo casal de mestre-sala e porta-bandeira. A segunda alegoria, “Contando o Tempo”, fez uma grande alusão aos mecanismos de controle das horas.

Em seu terceiro setor, a Dragões retratou o eterno sonho da humanidade em viajar no tempo, e sua máquinas criadas na tentativa de conseguir isso. O destaque ficou para a terceira alegoria da escola, que trouxe o famoso DeLorean, carro usado por McFly e Doutor Brown para viajar no tempo nos filmes da trilogia De Volta para o Futuro.

A correria dos tempos modernos foi criticada no quarto setor da escola. Alas representando a insônia, escravidão do tempo e a expressão “tempo é dinheiro”, usaram o bom humor para dos rumos da sociedade atual, retratada na fantasia do terceiro casal da escola.

Por fim, a Dragões finalizou seu desfile falando sobre os 65 minutos que a entidade tem para buscar seu primeiro titulo do Grupo Especial. Homenageou sua comunidade que luta o ano inteiro para fazer seu carnaval e que tem orgulho disso. A última alegoria mostrou a felicidade da escola e afirmou que ainda é tempo de ser feliz.

Conheça o enredo 2019  e ouça o samba AQUI.

Fonte: SASP | Fotos:  Léo Franco, Zeca Nascimento e Adriana Miranda